terça-feira, 23 de junho de 2009

Identidade Cristã

Paulo, em um de seus maravilhosos textos diz-nos, com coragem, tal expressão: “Sede meus imitadores, como também eu o sou de Cristo.” (1Co. 11:01). Imitar Paulo, não é tarefa nada fácil, porém executável.


Paulo Imitava a Cristo em TUDO, por isso ele diz: imitem-me, como a Cristo imito eu. Imitar. Que palavra, não? Sempre uma cópia, por mais que parecida, nunca será a original. Mas trará os mesmos atributos em si.

Esta semana participei de uma entrevista a cargo de estágio técnico de uma grande fábrica de bebidas. Como em toda entrevista, ocorrem dinâmicas de grupo, onde as verdades, segundo os aplicadores, são postas a amostra. Pois bem, lá eu estava de frente à banca avaliadora e duas coisas me intrigaram a esta mensagem: Preciso me camuflar? Não posso mostrar a Cristo, o qual eu sigo, não posso mostra-me quem sou?

O mundo nem sempre te aceitará

Ocorreu uma tarefa, muito simples, porém que precisaríamos pensar bastante. Vou descreve-la rapidamente a você.

Em dada situação, diz a tarefa, um avião caiu, num deserto, há cerca de 150Kkm de sua rota. 100 passageiros permaneceram vivos e a proposta era que classificássemos os itens mais importantes para se guardar, levar consigo, enquanto a banca avaliadora tentava ao máximo nos contrariar.

Enfim, depois de distribuída a tarefa, reunimos em grupo, eu, que sempre gosto de liderar, estimulei os pensamentos de minha equipe e levando sempre, em consideração a democracia, ou seja, que todas as decisões ali fossem de comum acorda da maioria e não impus a minha vontade, apenas indiquei alguns itens importantes.

Em terceiro lugar daquela lista, ficou acordado que colocaríamos a água como item de maior importância e bem ríspida, a gerente de RH virou-se pra mim e disse: “porque você escolheu a água e não a comida?”. Eu respondi a ela: Pois além de manter o corpo hidratado, nós seres humanos, conseguimos manter-nos até 40 dias sem nos alimentarmos. Ela, com ar de deboche, retruca: “só você quem sobrevive, não é? Eu nunca vi isto.” Rindo da minha cara e fazendo com que todo o grupo ao meu redor também caíssem na gargalhada. Isso me travou um pouco.

Eu penso que ainda que tais palavras nos tentem fazer desviar do foco, não podemos nos balancear com ventos contrários, ou seja, ainda que o “óbvio” seja contra nós, se temos uma visão, se propomos um objetivo, devemos leva-lo até o fim. E foi nessa que contei a ela o fato bíblico do jejum de Cristo no deserto. Ela me renega e diz: “por isso que ele é quem é” Desacreditando de que se ele conseguiu, nós conseguimos também. No tom de sua voz pude notar um ar de incredulidade, pois logo após nosso jogo de palavras ela me interrompe falando que religião é outro caso e isso não a interessava. Não me dando assim oportunidade de continuar a defesa de minha linha de pensamento. Mas ainda que ela me interrompesse, me retraindo, como fez, eu não me dei por fracassado, pois sei que ainda que não tão aceito, de forma real fui quem sou: Cristão.

O Cristão Camaleão

Não pense que você foi o único, todos já passaram, mesmo que bem breve, por uma situação onde preferiu não dizer que era cristão. Isso acontece, pois se tem muito receio ainda da aceitação da humanidade quanto ao que somos, mas sabe de uma coisa: Agimos assim, pois nós mesmos não aceitamos quem somos. Aceitar a Cristo é aceitar-se novo Nele.

Eu não consigo concordar com uma interpretação que ouvi de um rapaz na igreja. Ele dizia: “há momentos em que é melhor você calar-se e camuflar-se”. Olhe, eu concordo que há momentos em que talvez uma fala de Cristo possa não ser a melhor maneira, mas o seu testemunho falará. O seu corpo, o seu modo de agir, de aceitar as coisas, denunciaram a diferença que Cristo faz em você.

São Agostinho escreveu uma vez dizendo: “Meu testemunho é minha vida. Quando necessário usarei palavras.” Que lindo é isso! O maior valor que você pode vender aos outros é a honestidade, a sinceridade de aceitar ou não as coisas, pois o que impera primeiro em Sua vida é Cristo. Dizer a Deus que o ama, distribuir mensagens em um blog, como faço, ou apresentações de PowerPoint, como as tantas lindas mensagens que recebo, é bom, mas é fácil de mais. O maior testemunho é aquele que não fala, mas mostra. Lembre-se uma imagem vale mais que mil palavras e vale mesmo.

Cristão camaleão, também conhecido como crente eclético, aceita tudo e não fundamenta nada. São facilmente capazes de se adequarem a qualquer ambiente. Conseguem guardar sua fé, ou melhor, aquilo que dizem ser acreditar em Deus e o ama-lo, no bolso e de cara “limpa” montam aquilo que não são. Vive um evangelho fácil que começa e termina na igreja. Trocam sua fé por uma boa aparência mediante aos amigos da faculdade que só o aceitam se ele for como a galera. Também são capazes de mentirem sua religião, dizendo que não tem ou outras desculpas, pois sentem receio do recriminar dos outros a sua volta.

A atitude de camaleão, o mudar de cor, como o próprio animal faz, é algo que já se deparou comigo, é algo que vai me retornar, é algo que vai te colocar na parede e você precisa ser firme em seu caráter que não é forjado por adequações, mas por sabedoria vinda de Deus.

Agindo sem pensar

Eu acredito que o maior agravante de todos no problema “ser quem somos” dos cristãos é a falta de raciocínio racional, ou seja, pensando com o espírito. As emoções e sentimentos devem ser presentes em nós, mas pensando e agindo com entendimento e firmeza na sabedoria a qual foi-nos outorgada por Deus.

Hoje, na entrevista, fiz algo que me deixou com o coração quebrado. Na dinâmica de grupo, uma das tarefas finais, consistia em ter que admitir alguém, dos que pertenciam ao meu grupo naquele momento e demitir outro, também do meu grupo. Meus argumentos ainda que sinceros, me fizeram arrepender-me depois. Na hora eu pensei em poupar os meus amigos que já me conheciam há mais tempo e logo demiti um rapaz que conheci naquela reunião. Com muita sinceridade meus argumentos foram reais, mas sei que ele, o rapaz aquém mandei embora, mesmo que não tivesse se saído bem, não era o pior do grupo. Ele ficou surpreso e sua afeição partiu meu coração. Depois que o demiti abaixei minha cabeça, orei. Era só uma dinâmica, mas na hora em que a ficha caiu eu me machuquei pela injustiça que cometi. Quando chegou a vez do rapaz ao qual demiti, assumir o papel de chefe exercer a mesma tarefa, ele me derrubou ainda mais em meu coração, pois ele me escolheu para a admissão. Só faltei chorar, rs. Mas me portei como profissional. Camuflando como um camaleão meu sentimentalismo, pois ali me encontrava em ambiente profissional e assim eu deveria me portar. Graças a Deus pude sair abraçado com ele e me desculpando. Tentando me explicar com toda sinceridade. Ele não se magoou comigo.

Aprendi uma grande lição: ainda que decisões não venham beneficiar a quem você ama, a justiça é um ato que atinge a todos. E a justiça é um ato de amor.

Identificados como um, dos que andam com Ele

“A vida é melhor quando se tem a coragem de contrariar os caminhos da população” diria Kleber Lucas expressando um valor magnífico da vida cristã.

Ontem pela tarde, encontrei uma mulher que andou visitando nossa igreja, mesmo não podendo dar muita atenção a ela, pois estava conversando ao celular, pude ouvir seu comentário após nossos cumprimentos. Esse irmão é uma benção! Aquilo me encheu de orgulho, pois haviam me reconhecido, não por eu ser, mas por ser de Deus e por progredir Nele. Devemos nos gloriar nEle. No nome Dele. Vou confessar: Hoje aquele ocorrido quis encher meu ego, me fazendo crescer em sentimentos pessoais, mas eu fiz um exercício que tem me ajudado muito, que sempre me foi presente à mente quando essa situação ocorre. Encho meus pulmões, como se inflamasse meu ego, e vou os esvaziando dizendo: “tudo posso naquele que me fortalece”, colocando em mente, firmando meu propósito e crendo que só posso tudo se Deus me fortalecer, se ele for por mim.

Sabe a receita pra que alguém passe perto de você e diga: Você é uma benção? Há uma receita para o sucesso espiritual. Pegue seus desejos, seus talentos, suas vontades, sonhos, ansiedades, valores, identidade e coloque-os todos a sua frente, como se espalhados, avalie cada uma dessas características, imagine que em sua frente esta Cristo, cabe a você querer entregar-se a Cristo, pois “Quem quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” (Mateus 16:24; Marcos 8:34; Lucas 9:23) Não há uma imposição, mas uma escolha de abrir mão de tudo, de tudo, de TUDO e viver da maneira a qual Cristo deseja. Deseje os perdidos, não perder-se tentando achar-se em pensamentos tortos e soltos no ar. Queira a oração, o cantar pra Deus que uma apresentação no púlpito, que externa de você, fala as pessoas, mas não tem poder transformador pra si mesmo. “O Senhor conforme a Sua riqueza e glória há de suprir TODAS as nossas NECESSIDADES”

Em todo lugar sua identidade será cobrada. Não invente um caráter encima daquilo que pensam ser o certo. Não forje seus pensamentos nos ventos, pois eles não possuem rota determinada e se uma hora te levam ao lado certo, por outros momentos são capazes de causar enorme estrago. Busque em que se apoiar, no apoio em Cristo. Não venda seu valor. Você tem valor? Pra Deus sim. Ele sabe lhe dar o real valor que nenhum outro homem será capaz: O valor doar a vida. Então não seja mais um, seja você. Seja de Cristo.

Boa Semana,

Matheus Gerhard

Converse comigo em: blogdotheus@yahoo.com.br

Um comentário:

I.B.B Embu Guaçu disse...

Olá! Bem meu nome é Roberto e sou da Igreja Batista Biblica de embu Guaçu em São Paulo. Gostaria de dizer que este seu estudo e depoimento foi muito bom para mim. Os jovens da igreja estão estudando o livro "O desafio do mundo pós moderno" e o professor dos jovens pediu para que eu desse a lição 11 (sem medo de ser diferente). Os seus relatos me ajudaram bastante. Valeu! Continue sendo uma BENÇÂO. Deus seja Contigo.